quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

As 12 melhores coisas que o RAP (quase) viu em 2016

Saudações, leitores e apreciadores da cultura urbana. Sabemos que 2016, apesar de tantas coisas, foi um ano surpreendentemente excepcional pro RAP brasileiro. A lista de coisas que rolaram na cena é enorme, tive a impressão de que não passaria uma semana sem me deparar com um lançamento que me faria repensar (oooutra vez) minha lista dos melhores lançamentos do ano. Mas quis fazer algo um pouco diferente das várias listas que já rodam por aí, e trazer um pouco da minha visão particular do que teve de melhor durante o ano. Independente de quantas visualizações teve, ou do quanto sacudiu a cena inteira. Quero trazer o que, mesmo sem ter atraído a atenção de todo o público, conseguiu mostrar que a música independente tem um potencial absurdo de bom. Claro que foi difícil fazer uma lista que não inclua ADL MC's, Amiri, Fábio Brazza, Fióti, Funkero, Karol Conká, Um Barril de Rap, 3030 e tantos outros que me viciaram em muitas coisas no decorrer do ano. Mas tem tanta música acima do "supimpa" por aí, e que não tem chegado com tanta força no grande público, que quis compartilhar algo possivelmente novo convosco.
A lista não segue uma ordem de melhor pro pior ou algo do tipo, montei de acordo com a ordem cronológica dos lançamentos. Dito isso, vamos a ela!


1) Comes e Raps - Vida Gorda parte 1
 Formado por Mamuti Méqui Huê e TVS BeatBox, o projeto Comes e Raps cria paródias de RAP's nacionais com temas relacionados a comida. O mais bem sucedido em todos os aspectos - ao meu ver - foi o glorioso "Vida Gorda Parte 1", paródia do clássico "Vida Loka Parte 1", do grupo Racionais MC's. O clipe ainda contou com depoimentos exclusivos do MC Bin Laden, e foi visto e compartilhado por vários rapeiros grandes quando lançado.


2) Rádio Moleque - Atrasado Come Resto
 Na real, a vontade era colocar toda a mixtape "Sem Base" aqui. "Rádio Moleque" é o projeto solo do rapeiro Tartaruga, membro também do coletivo "Vim de Longe", junto a vários rapeiros do interior do estado de São Paulo. É do tipo que vale a pena escutar e baixar cada faixa, todas têm histórias e estilos bem particulares. O rapaz faz um dos trampos mais profissionais que já vi alguém fazer praticamente sozinho, e o som é um exemplo disso.


3) Xamã, Estudante e Jean Santoro - Pedras de Março
Novamente, chegamos com uma versão de um clássico. Dessa vez, da música "Águas de Março", de Tom Jobim e Elis Regina. A versão manteve a melodia original da música e trouxe temas mais comuns no RAP, reproduzidos duma maneira bem inusitada e caprichadíssima, além de uma perfeita mesclada com o boom bap que fechou o som com classe.


4) Axel Alberigi - Herança Verde Escuro
No episódio 99 do RapBox, Axel nos trouxe uma música "dupla" com todo um clima que remete coisas tribais e naturais, nos levando a um ponto de vista mais humano do que a sociedade tem se tornado. Acho que tudo se resume na frase da própria música: "É suicídio ser de concreto o chão, grama é cama". Quem o conheceu como AXL tem muito a se surpreender!


5) Loba - Pé Rapada
 A petropolitana nos presenteou com esse som numa estrutura bem incomum pro que estamos acostumados dentro do RAP nacional, denunciando várias atitudes machistas na nossa história e cultura. É uma forte afronta a coisas que rolam até mesmo dentro do ambiente do RAP, e certamente uma das canções mais viciantes da lista. Acompanhem essa moça, o que ta pra vir não é coisa pouca.


6) Rap Plus Size, Tássia Reis e Banda Davidariloco - Levante Sua Cabeça
Esse projeto é um dos que mais me empolgam em questão de proposta. Formado por Sara Donato e Issa Paz, o Rap Plus Size faz músicas denunciando machismo, gordofobia, racismo e mais várias questões sociais. Muitos as conheceram pela cypher machocídio, mas essa parceria das duas com a Tássia Reis e a Davidariloco, lançada um pouco antes da cypher, rendeu uma sonzeira memorável e uma lindeza de clipe!


7) Ramiro Mart - Fortaleza
 Claro que o único som lançado por ele durante todo o ano teria que ser mencionado aqui. O clipe por si, editado pelo próprio Ramiro, já conta uma senhora história pelas imagens, e o ritmo é do tipo que se ouve pra começar o dia com ânimo. Foi, inclusive, o som de onde tirei a frase-objetivo pra 2017: "Não existe certeza, mas na mesa eu quero sempre café e dinheiro no bolso". É tudo que temos para saber como vai vir o álbum "Audio Mensagem", ao que a faixa pertencerá.



8) SKL, Síntese e Nego Max - Fogueira
 No quesito "Não parar de ouvir todo dia desde que saiu e viver mostrando pra todo mundo", esse vence de longe. É o som que alcançou a sonoridade que vivo buscando num RAP: ritmo africano, todo batucado, a várias vozes, e, assim como "Herança Verde Escuro", muito tribal. Principalmente com o clipe, que te põe num mundo que não te deixa querer sair. Sensação indescritível.


9) Sarluu - Eles Mentem
 Depois de alguns aninhos longe de lançamentos, Sarluu chegou completamente diferente do esperado e surpreendeu com um trap bem executado demais, lançado pelo selo 1Kilo com um lyric video profissionalíssimo, e uma esplêndida capacidade de grudar na tua cabeça pelo resto do dia. Novamente, o RAP petropolitano sendo cada vez mais bem representado.


10) Projeto Preto Véio - Terra em Brasa
 Mal sei se os membros da banda intitulam seu som como RAP, mas é, de longe, um dos sons mais gostosos que já conheci. O clipe foi todo editado com imagens da internet como um manifesto pelos direitos dos índios no Brasil, e consegue emocionar a cada vez que você assiste. Também segue, na maioria das músicas, aquele estilo batucado que citei, tendo algumas mais puxadas pra samba, outras mais pra RAP, e nenhuma razoável. Outro pra vocês pesquisarem com força!


11) Ney Dicí - O Que Separa Os Homens Dos Meninos (Remix)
 Eis um homão. Diretamente da Bahia, Dicí fez esse remix da música com o mesmo título feita pelo rapeiro Sant, e parece ter sido bem recebida pelo mesmo. O amor às pessoas é algo bem abordado pelo Ney, e sempre de maneiras bem fortes e individuais, tal como, de certa forma, é nesse som. Há 2 anos, o rapeiro foi vencedor do 2º Rap Contest NiggasNerds, e agora está pra lançar o terceiro EP de uma "trilogia do aprendizado".


12) Kamau - Com Licença
 Se não for pra ser com chave de ouro a gente nem fecha! Mantendo o padrão de nunca lançar uma música ruim desde sempre, Kamau agora nos mostra um paralelo entre duas realidades nesse videoclipe, que começa com ele produzindo um beat numa MPC, e logo vai prum estúdio tocar com a banda Plano A e dar uma aula de como fazer RAP com sonoridade de banda. Acho que só nos resta agradecer.


Depois de tanto som, espero ter apresentado algo que vá entrar em suas playlists a partir de agora. Cada som aqui vale muito a pena ser ouvido mais de uma vez. A quem quiser acompanhar, clique aqui para acessar o facebook do Blog Lado C. Obrigado e até a próxima!

Djonga lança clipe/lyric "Vida Lixo"

Começando 2017 com muito peso, logo no terceiro dia do ano, o rapeiro Djonga publicou a música intitulada "Vida Lixo". O som veio acompanhado de um videoclipe num formato um tanto diferente do comum, com um vídeo quadrado no centro da tela, a letra da música passando embaixo e algumas intercaladas com o estilo de lyric vídeo animado.


A letra está recheada de linhas de impacto, num estilo agressivo e cheio de críticas ousadas. O beat feito pelo DogDu Beat$ completou o clima "bate cabeça" da música, com algumas brincadeiras intercalando funk e trap, e o vídeo foi produzido por Matheus Aragão, com a ajuda do próprio Djonga na direção. Eis o resultado: As melhores boas-vindas ao RAP de 2017!

"Pra eu ser notícia 24 horas
Não vou zoar os mano que quer dar de 24, oras!"


Curta o Lado C no FaceBook:
facebook.com/blogladoce

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Entrevista com D L O + Lyric "Sempre Há Algo A Se Vencer"

Saudações, leitores! Hoje trago ao blog um rapeiro que começou as atividades muito recentemente em Petrópolis RJ, e já vem conquistando seu espaço na cena local com sua arte.


Lado C: Sempre começando pelo básico, quando e por que começou a fazer RAP?

D L O: Salve mano Nego Preto! Muito grato pelo convite. NÓS. Antes do Rap, eu comecei a escrever, escrevia diariamente. Isso foi pelo meio de 2014. Uns meses depois arrisquei no Rap, Coquinho insistiu pra mim tentar. RSRS. E cantar, sempre foi um sonho. Desde menorzinho. Quando vi que podia ser possível, mergulhei com a alma.

Lado C: Quais são suas maiores inspirações enquanto artista, sejam musicais ou não?

D L O: A vida, primeira coisa que me inspira muito. As pessoas que estão perto, que vejo como parte da minha família.

Lado C: E quais foram os primeiros músicos que você conheceu pessoalmente através do RAP, ou os primeiros com quem se identificou?

D L O: Assim que comecei a fazer Rap, foi num show do 3030, achei bem dahora. Me identifiquei com várias ideias. Fui no Marechal! Grande marechal, visão muito ampla, me identifico demais também. Mas, contato direto, foi com o mano coquinho, que me incentivou e me apresentou boa parte do Rap.


Lado C: Recentemente, você lançou um lyric da música "Sempre Há Algo A Se Vencer". Qual é a ideia desse som?

D L O: A ideia é podermos ver que, todos os dias enfrentamos alguma guerra. E todos dias pedras caem em nossos caminhos, A vida é assim. Temos que vencer os obstáculos. Sejam na vida, ou na nossa mente.

Lado C: A arte da música chamou muita atenção do público. Ela tem algum significado forte pra você?

D L O: Sim, demais! Inclusive me supreendeu... Fiquei bobo quando vi rsrs. E sem contar que, foi feita um irmão, amigo de infância, de colégio, da vida... Isso vale demais pra mim, ta ligado?!

Lado C: Você tem sentido uma boa recepção do público aos seus trabalhos?

D L O: Sim! Venho notando que pessoas que não ouviam, vem se permitindo mais, se atraindo mais.
Alguns manos comentam, curtem, compartilham. Fico felizão.

Ouça "Sempre Há Algo A Se Vencer":



Destaque:
"A voz de perfeição do ego grita
Cego, irrita.
Sua razão quebra sua evolução
De outro ponto notei
Venci até minha antiga visão..."

Lado C: E quanto aos planos, já tem seus próximos passos em mente? Algum EP, clipe ou algo do tipo?

D L O: Tem uma Cypher pra sair. Óh, tu ta sabendo de primeira mão hein rsrs. To trabalhando no Cd, que é previsto 13 faixas. Contando com apenas duas participações. E vem alguns singles antes disso, com participações de uns manos da cidade.

Lado C: Se você pudesse alternar entre a forma humana e algum animal, qual animal escolheria?

D L O: O leão! Sempre me encantou, um dia ainda terei um. Costumo dizer que tenho espirito de leão. E por coincidência, sei lá, nem sei se acredito nisso, sou signo Leão.

Lado C: Obrigado pela participação! Agora a pergunta final. Se você tivesse 15 segundos pra falar qualquer coisa pra todos os seres humanos do planeta, o que diria?

D L O: Que possamos entender o significado da vida, a essência da existência. Dar valor a o que é vivo, para vidas. Tem o necessário para todos, só é preciso ser repartido.


segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Entrevista com Ney Dicí + VideoClipe "Ame".

Saudações, leitores! Vendo que as últimas entrevistas têm tido um alcance crescente e cada vez mais público nos acompanhando, hoje trago um rapeiro nordestino e muito pesado aqui pro blog, pra responder as nossas perguntas e bater aquele papo.
Caso não tenha visto as últimas entrevistas, clique aqui para ir para a página de entrevistas do blog.

Ney Dicí.
Lado C: Pra não perder o costume, a pergunta básica de toda entrevista: Quando e por que você começou a compor? Compartilhe conosco.

Ney Dicí: Minha primeira tentativa de composição que lembro, foi em um grupo de Capoeira do qual eu fazia parte, uma música em ritmo de Capoeira Angola, e falava algo sobre quando eu morresse, que eu gostaria que as pessoas lembrassem do meu legado. Bom, eu tinha uns 09/10 anos mas era isso (rs), e o porquê, além do incentivo do mestre do grupo que deve ter visto alguma aptidão em mim, a vontade de me expressar.

Lado C: Quais são suas maiores inspirações enquanto artista, sejam musicais ou não?

Ney Dicí: Mano fazer essa lista é algo muito difícil pra mim, mas de cara posso citar: Racionais, pelo impacto que causou na minha vida de varias formas; C4bal, Emicida, Fresno, Parteum, Natiruts, Facção Central, Adikto, Inquérito, Slim Rimografia, a lista é infinita. Estudar me inspira muito também, na musica e na vida,  quando estudo sobre filosofia da mente por exemplo, quando assisto coisas como N2TV do NiggasNerds, tudo tem um valor pra mim, ainda não consigo fazer um "Top 3" de inspirações.

Lado C: E quais foram os primeiros músicos que você conheceu pessoalmente através do RAP, ou os primeiros com quem se identificou?

Ney Dicí: Os caras do Hip-Hop da minha cidade, o Mano Edson, DFR, Rapper Jader, Dj Cachorrão, Rapper Dias, Dj Raffa, Roger-12, JB etc. Acredito na importancia de respeitar nossa raíz
e sem o respeito e hoje, a admiração desses caras, eu não taria nessa de rap. Fora isso tive a oportunidade de conhecer o Dj Gerê e o Dj Jota (3° Visão) dois monstros das antiga do Hip-Hop do Espírito Santo, que me ensinaram muito também.

Gravação do videoclipe "Ame".
Lado C: Sobre a música "Ame", do seu último EP "Coisas Pra Dizer Antes De Ir", que significado essa letra tem pra você?

Ney Dicí: Eu acredito que o ser humano, mas especificamente nesse caso, eu, sou muito propenso a fazer o mal, e essa letra é o grito do meu lado bom pra que eu me esforce em fazer o bem, e que essa minha passagem aqui nessa vida tenha um significado. Cantar isso pode fazer com que outras pessoas também despertem.

Lado C: Como foi a produção, desde a instrumental até a mixagem, o videoclipe e tudo que foi feito em volta da faixa? Teve mais pessoas envolvidas?

Ney Dicí: Eu tinha a letra e queria um beat bem simples que servisse de ambiente pra ela, então encontrei a música da Marília Medalha "Se o Amor Pudesse" e sampleiei o piano inicial que serviu como uma luva pro objetivo. No clipe tive a participação dos irmãos Nobrake e Gabriel Uvinni e as imagens ficaram  por conta do meu mano William Nunes. Um detalhe interessante sobre a locação, é que de um lado da rua tem aquelas árvores e do outro é um motel, pois é. Ame!

Lado C: Você considera ter conseguido transmitir o que tinha intenção de transmitir através do clipe?

Ney Dicí: Tínhamos poucos recursos e zero orçamento, então tudo tinha que ser o mais simples e rápido possível, assim como a musica é. Então, dentro dessas condições acredito que sim, pude fazer uma especie de metáfora ali, pra mim o vídeo funcionou bem junto com a música na transmissão da mensagem.

Assista "Ame":


Versos destaque:
"Demorou, mas eu abri os olhos e vi
Com tato sensível pude tocar
O aroma suave eu percebi
O silêncio é um poeta, basta saber escutar"

Lado C: Depois de vencer o 2º Rap Contest do NiggasNerds, no ano passado, você sentiu uma migração grande do público do Contest pros seus Raps?

Ney Dicí: Com certeza, principalmente no Youtube, hoje pelo menos 60% da galera que cola no canal acaba sendo por causa do Contest, sou muito grato.

Lado C: E quanto aos projetos novos? Fiquei sabendo que tem mais um EP sendo produzido, quer falar algo a respeito com o público?

Ney Dicí: Sim, tô finalizando o último EP da "Trilogia do Aprendizado" e vai se chamar "Rumo Ao Motivo Disso Tudo", deve sair provavelmente no começo de 2017. Tem outros projetos pro ano que vem, mas o foco agora vai ser esse EP que vem com instrumentais voltadas pro Trap/R&B, quem gostou da Vibe, talvez curta os sons desse EP.

Lado C: Obrigado pela participação! Agora a pergunta final. Se você tivesse 15 segundos para falar qualquer coisa para todos os seres humanos do planeta, o que diria?

Ney Dicí: Opa, eu que agradeço pela oportunidade. O amor não é só um sentimento, é uma atitude, não é ausência de ódio não, é a escolha por não ser indiferente. Ame!

----------------------------------------------------------------

Depois dessa mensagem final, só me resta agradecer a todos que acompanham o blog, ainda tem coisas grandes por vir por aqui. A quem quiser acompanhar as próximas entrevistas, lançamentos e outros projetos, curta nossa página no facebook clicando aqui e divirta-se. Até a próxima!

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Entrevista com Loba + Single "Pé Rapada".

Saudações, leitores! Continuando com as entrevistas de Petrópolis, hoje trago uma rapeira que em poucos sons lançados já está demonstrando altíssima qualidade musical, e que também tem sua página no blog "Rap Petropolitano", e uma matéria no nosso blog parceiro "Rappers Subterrâneos". Representando o REP feminino petropolitano, a Loba lançou, recentemente, um single chamado "Pé Rapada", e batemos um papo a respeito disso e outras coisas na entrevista.



Lado C: Começando pela pergunta básica, que todo músico responde 300 vezes na carreira. Quando e por que você começou a fazer música? Conte um pouco da sua história com o RAP.

Loba: Comecei quando eu tinha por volta dos 11 anos, quando fiz uma música pruma aula de Geografia, como se fosse um poema rimado pra cada país, mas eu não fazia ideia que era rap, nem que eu me apaixonaria completamente por ele! Com 12, peguei o violão do meu avô e quis aprender a tocar, dali, fiz uma música pro próprio violão. Desde moleca eu amava escrever, comecei a compor e ali, me descobri. Na adolescência eu curtia rock e mpb (escuto até hoje).  Com o passar do tempo, decidi frequentar a Roda Cultural do CDC e foi ao pisar no gramado, que encontrei meu amor pelo Hip Hop, passei a estudá-lo, a escutá-lo, sabe? E me senti livre ao compor pro rep, é cada desabafo que a gente coloca na ponta do lápis... Sem contar, as histórias em que a gente se inspira, as causas que a gente abraça.  Me sinto completa!

Lado C: Quais são suas maiores inspirações enquanto artista, sejam musicais ou não?

Loba: Minhas maiores inspirações são todas musicais!
Mc Marechal, 2pac, Kurt Cobain, Liniker, Cazuza, Cássia Eller, Amy Winehouse e Muddy Waters.

Lado C: E quais foram os primeiros músicos que você conheceu pessoalmente através do RAP, ou os primeiros com quem se identificou?

Loba: O primeiro, foi o Durango Kid, comecei a assistir as batalhas dele no Youtube e pensei "irmão, que cara sinistro!", comecei a escutar o grupo que ele é integrante, Gotam CRU e Os Curingas, som bom de se ouvir! Depois, conheci o Marecha, me identifico muito com ele em certos aspectos, o cara é diferente. E a pouco tempo, ganhei dois irmãos, Xamã Cronista e Gui Jazz, onde os conheci no nosso querido gramado já mencionado! Dois garotos com um talento tremendo, sinto muito orgulho dos dois.

Arte da música "Pé Rapada".

Lado C: Agora, falando sobre a música que você lançou recentemente, "Pé Rapada". O que você tinha em mente enquanto idealizava a música?

Loba: Essa música é simplesmente um desabafo que saiu de dentro  do peito, lembro-me de ter ficado emocionada e escrito! Demonstrei parte da dor que sinto através da letra. Não só da dor que eu sinto, mas que todas as mulheres sentem, ou já sentiram em algum momento de suas vidas. A luta continua!

Lado C: Quem mais colaborou com a faixa, seja em beat, arte, mixagem e afins?

Loba: Na mixagem, foi um cara incrível, Cedral, rolou uma conexão entre nós, nos entendemos muito bem. Na arte, foi Vinícius Sharley, da crew Unidos Pela Arte Urbana, ele é um artista sensacional também! Sou muito grata aos dois!

Lado C: Na sua opinião, o resultado saiu do jeito que você idealizou, ou ainda há algo que você faria diferente?

Loba: O engraçado é que nada foi planejado, eu criei o flow de última hora, o refrão foi feito pela levada do beat, a mixagem também foi planejada ali, na hora. E eu gostei do resultado, acho que o importante, é a mensagem ser captada e creio que foi! O que pretendo, é gravar também, uma versão acústica desta música.

Ouça a música "Pé Rapada":

Destaque:
"Carniça pra urubú, rejeitada até pra ter
Boneca de vudu, escarrada, pé rapada, quem és tu? Quem és tu?"

Lado C: E depois desse lançamento, tem mais projetos em mente, ou algo que você já participe?

Loba: Diversos projetos solos e alguns com outros mc's e também com violonistas.

Lado C: Se você pudesse comer qualquer coisa agora, o que você estaria comendo?

Loba: KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Menino, não sei! Acho que estaria tomando um milkshake com cobertura de chocolate (muita cobertura, por favor).

Lado C: Obrigado pela participação! Agora a pergunta final. Se você tivesse 15 segundos pra falar qualquer coisa pra todos os seres humanos do planeta, o que diria?

Loba: Eu diria para tentarmos ser menos egoístas, em relação a nós e a outrem. O mundo está desmoronando sobre nossa cabeça, sob nossos pés, estamos o deixando com um gosto amargo. O amor parece sumir aos poucos, não podemos deixar que ele desapareça.
E gostaria de te agradecer por me entrevistar, uma honra pra mim!


Por hoje é isso, cambada! Não deixem de conferir o trabalho da Loba, lá no blog Rap Petropolitano você encontra também o WebClipe "E.N.T.E" e os links para encontrar e acompanhar os trabalhos. Curtam também a página do Blog Lado C no FaceBook clicando aqui, para acompanhar as próximas entrevistas, com músicos de dentro de fora desta cidade de Petrópolis. aZeus a todos e até a próxima!

sábado, 10 de setembro de 2016

Entrevista com Ali Mensageiro + Lyric "Sejam Bem-Vindos".

Saudações a todos, leitores do blog. Os que nos acompanham já sabem que o blog passou os últimos meses completamente focado em lançamentos, tanto que não temos uma entrevista nova há muito tempo. E, recentemente, foi também por mim criado o blog Rap Petropolitano, contendo páginas com a discografia e videografia dos rapeiros e rapeiras da cidade. Então não teria momento melhor pra começar esta nova "temporada" de entrevistas aqui no blog, trazendo meus conterrâneos também pra este espaço. Hoje estrearemos com o MC Ali, ou "Ali Mensageiro", que faz parte do movimento hip hop há tempos na cidade, apresentando sua música "Sejam Bem-Vindos".


Lado C: Primeiramente, seja bem-vindo. Nos conte um pouco sobre como você começou a atuar no hip hop. Quando e por que você se interessou por isso?

Ali: Primeiramente é uma satisfação muito grande dar essa entrevista pro Blog Lado C. Desde já, muito obrigado pelo convite! Em resposta à pergunta, 12 anos atrás eu assisti a um filme chamado “Entre Nessa Dança”. Assim que eu vi esse filme fiquei fascinado pela cultura Hip Hop, decidi que de qualquer maneira eu faria parte daquilo! Em 2007 eu comecei na dança de rua, e em 2011 me profissionalizei. Em 2011 também comecei a conhecer melhor o Rap Nacional e a arriscar os primeiros freestyles na rua com os irmãos que andavam comigo, meses antes da primeira edição da Roda Cultural do CDC. Quando rolou a primeira edição eu já tava louco pra pôr em prática o que eu já vinha treinando, e quem tava lá sabe no que deu, né. (rs)

Lado C: Quais são suas maiores inspirações enquanto artista, sejam musicais ou não?

Ali: Minha maior inspiração de vida é Jesus Cristo, baseio minha mensagem nos ensinamentos que Ele deixou. À nível de carreira musical tenho três rappers como maiores inspirações: Emicida, Kamau e Pregador Luo.

Lado C: E quais foram os primeiros músicos que você conheceu pessoalmente através do RAP, ou os primeiros com quem se identificou?

Ali: Pessoalmente foram os MC's da Roda. Os primeiros com quem me identifiquei foram Emicida e Projota. Antes disso só conhecia os Racionais e Marcelo D2, o resto era Rap gringo. Gostava deles mas não me imaginava fazendo aquele tipo de som. As músicas do Emicida já eram mais a minha realidade. Fiquei muito realizado quando tive a oportunidade de fazer um freestyle no show do Projota.


Lado C: Recentemente, você lançou uma das faixas do seu CD, a música "Sejam Bem-Vindos". Como teve a ideia de compor essa letra?

Ali: Tava revoltado porque todos meus amigos tinham celular com Android e eu não. (rs)

Lado C: Antes de lançar a música, nos seus shows, tinha alguma reação do público à letra desse som?

Ali: Tinha uma galera que já conhecia porque é a primeira faixa do CD. Quem não conhecia também se envolvia no clima, normalmente eu abria o show com essa música, via ela apenas como um “quebra-gelo”. Não esperava que viesse a se tornar a preferida pela galera.

Lado C: O que achou do resultado, depois do lançamento do lyric? Teve a qualidade e o retorno esperados?

Ali: As pessoas têm me parabenizado bastante por esse trabalho, até poque já era a faixa do CD preferida pela maioria. A Orbis Produtora também fez um trabalho excelente na edição do vídeo. Fiquei quase dois anos sem lançar nada na rede, então, aos poucos eu volto a ir conquistando espaço em "solo virtual". Ainda não teve a repercussão que eu queria, mas em breve a gente chega lá.


Lado C: O que podemos esperar de novidade, após esse lançamento? Preparando algo novo?

Ali: Projetos em execução, muita idéia fluindo! Pode contar que tem coisa boa vindo por aí! Não posso falar muito por enquanto mas pode ter certeza que os trabalhos que estão por vir são de alto nível.

Lado C: Se você pudesse escolher um músico pra fazer uma participação num disco seu, quem você escolheria?

Ali: Pregador Luo.

Lado C: Obrigado pela participação! Agora a pergunta final. Se você tivesse 15 segundos pra falar qualquer coisa pra todos os seres humanos do planeta, o que diria?

Ali: Levo o Evangelho como estilo de vida e missão, não me envergonho disso. Jesus morreu para que nós tivéssemos vida e salvação. Por mais que o mundo ofereça muitos prazeres momentâneos, só em Cristo Jesus se pode desfrutar da verdadeira alegria e paz de espírito. Só Deus pode preencher os vazios da alma. É isso! #Touché

Assim encerramos a entrevista, e aqui me dispeço de vocês, leitores. Muito brigado pelo acesso! Ainda tem muitas entrevitas, com petropolitanos e não petropolitanos, pra sair. Curtam a página do Lado C no FaceBook clicando aqui para acompanhar o que mais vier por aí. Clicando em "Entrevistas", no topo da página, vocês também encontram várias outras já publicadas. Fico por aqui e até a próxima!

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Lançaj 7: Top 10 RAP's Julho 2016.

Saudações, leitores, ouvintes e apreciadores da cultura! Mais um início de mês, e com ele o sétimo episódio da série "Lançaj", com os dez melhores RAP's lançados durante todo o mês de Julho de 2016! Assim como ultimamente, tenho ouvido tudo que chega até mim, e acabou por ter uma lista com dezenas de sons pesadíssimos pra selecionar os 10 que entrariam pra lista do mês. Com orgulho que a lista não tem nenhum som "Mais ou menos", pelo contrário, vários videoclipes com produção impecável e vários álbuns que ouvi pra escolher um som pra entrar na lista. Homens, mulheres, negros, brancos, produções caras, humildes, de tudo. Enfim, sem mais delongas, curtam o vídeo, que também está com alguns aspectos renovados e mais profissionais na edição, e logo depois encontrarão a versão completa de cada som e os links pro FaceBook do blog e pro canal onde o Lançaj é originalmente publicado no YouTube. Boa arte!



Curtiu algum dos sons? Eis as versões completas!

10) WWL RAP - Em Perigo (EP "Tinha Que Ser Preto").


9) Patrick Horla - Piada Sem Risada (Clipe Censurado em 2013).


8) Dabliueme - Todo Sangue É Vermelho.


7) Elephant Club - Verdades Paralelas.


6) Méqui Huê - Brilhe E Deixe Brilhar (Remix).


5) ICTUS, Pará e Kablan - Cidade Verde e Cinza.


4) Clara Lima - Realmente.


3) Axel Alberigi - Herança Verde Escuro (RapBox Ep. 99).


2) Fábio Brazza e Arnaldo Antunes - Hey João.


1) Issa Paz e Sara Donato - IMC (Disco "Rap Plus Size")







Lado C no FaceBook (Clique aqui)
Canal no YouTube (Clique aqui)